Diagnóstico


O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio de testes, realizados a partir da coleta de uma amostra de sangue. Esses testes podem ser realizados em unidades básicas de saúde, em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em laboratórios particulares. Nos CTA, um teste rápido pode ser feito de forma anônima e gratuita.

Os tipos de teste para o diagnóstico da infecção pelo HIV são divididos em 2 grupos: os testes de triagem e os testes confirmatórios.

TESTES DE TRIAGEM

1. Testes Elisa

Essa técnica é amplamente utilizada como teste inicial para detecção de anticorpos contra o HIV no sangue do paciente, podendo ser realizada com um grande número de amostras ao mesmo tempo. Se uma amostra apresentar resultado negativo no teste Elisa, esse resultado é fornecido para o paciente, acompanhado do aconselhamento pós-teste. Caso uma amostra apresente resultado positivo nesse teste, é necessária a realização de outros testes adicionais, denominados testes confirmatórios.

TESTES CONFIRMATÓRIOS

1. Teste de Imunofluorescência Indireta (IFI) para o HIV-1

Esse teste permite a detecção de anticorpos contra o HIV. No entanto, somente é utilizado quando a amostra de sangue do paciente apresentar resultado positivo no teste Elisa. Para a sua realização, utiliza-se uma lâmina de vidro que contém células infectadas com o HIV, fixadas nas cavidades onde o soro ou plasma do paciente é adicionado.

2. Teste Western blot (W. blot)

O western blot também é um teste confirmatório que detecta anticorpos contra o HIV. Assim, só é realizado quando a amostra de sangue do paciente apresentar resultado positivo no teste Elisa. Para sua realização, utiliza-se uma tira de nitrocelulose que contém algumas proteínas do HIV fixadas. O soro ou plasma do paciente é então adicionado, ficando em contato com a tira de nitrocelulose.


3. TESTES RÁPIDOS ANTI-HIV

Os testes rápidos permitem a detecção de anticorpos contra o HIV, presentes na amostra de sangue do paciente, em um tempo inferior a 30 minutos. Por isso, podem ser realizados no momento da consulta e, assim, a utilização desse teste permite que, em um mesmo momento - o da consulta, assim o paciente faça o teste, tenha conhecimento do resultado e receba o aconselhamento pré e pós-teste, não havendo a necessidade do exame de triagem. Os Testes Rápidos são distribuídos gratuitamente para serviços de saúde da rede pública em todo o país, incluindo um grande número de maternidades.


4. Teste de PCR (Polimerase chain reaction) quantitativo para o vírus HIV

O PCR não é utilizado rotineiramente como teste diagnóstico para a infecção pelo HIV. No entanto, há casos especiais nos quais esta é a única metodologia possível para confirmar tal infecção. O princípio do teste é detectar o material genético do vírus HIV e a carga viral.

Topo